Blog

A maquina que transforma seu coco em água potável !!!

by Casa das Bombas on 5 de março de 2015 , No comments

Bill Gates visitou recentemente a instalação na qual fica o Janicki Omniprocessor, uma máquina surpreendente que transforma dejetos humanos em eletricidade e água potável.

Ele ama essa tecnologia e não está fazendo propaganda da boca para fora:  o empresário de fato PROVOU a água que a máquina produziu a partir de cocô.

“Tenho visitado muitos locais semelhantes, como usinas de energia e fábricas de papel, de modo que quando eu ouvi falar sobre esta – é parte do esforço da Fundação Gates para melhorar o saneamento em países pobres -, fiquei ansioso para conferir”, disse Bill Gates. “A água tem gosto tão bom quanto qualquer uma que vem em uma garrafa. E, tendo estudado a engenharia por trás dela, eu ficaria feliz de bebê-la todos os dias. É segura”.

Como funciona

Segundo Peter Janicki, CEO da Janicki Bioenergy, empresa que inventou o OmniProcessor, a máquina usa o “lodo do esgoto” (“sewer sludge”) para reaproveitar resíduos que só prejudicariam o meio ambiente.

agua-potavel-coco-esgoto-1-838x429

 

O processador funciona a uma temperatura tão elevada (1.000 graus Celsius) que não há nenhum cheiro desagradável.

O lodo é colocado no aparelho e sobe uma rampa a fim de passar por um tubo. Nesse tubo, ele é fervido e secado. O vapor é separado dos resíduos sólidos.

agua-potavel-coco-esgoto-2-838x471

agua-potavel-coco-esgoto-3-838x432

Na parta sólida, o lodo seco é alimentado ao fogo, e o vapor quente gera eletricidade que é usada no processador, além de um excesso, que pode ser utilizado pela comunidade local.

agua-potavel-coco-esgoto-4-838x429

agua-potavel-coco-esgoto-5-838x430

Já o vapor de água criado no momento da fervura é passado por um sistema de tratamento e se torna água potável.

agua-potavel-coco-esgoto-6-838x429

A importância e o futuro da tecnologia

Pelo menos 2 bilhões de pessoas usam latrinas que não são devidamente drenadas para defecar. Outras simplesmente defecam a céu aberto. Esses dejetos contaminam a água potável, com consequências terríveis: doenças causadas pela falta de saneamento matam cerca de 700.000 crianças a cada ano, prejudicando muitas mais.

O OmniProcessor é uma maneira acessível e segura de se livrar desse lixo humano evitando muitas mortes. Ele não exige toda uma infraestrutura de linhas de esgoto – os dejetos podem simplesmente ser levados a uma instalação como hoje são levados a rios e mares para serem despejados nesses países -, e é uma máquina autossustentável que inclusive que pode dar lucro.

No futuro, após alguns avanços, a máquina poderia lidar com os resíduos de 100.000 pessoas produzindo até 86 mil litros de água potável por dia e 250 kw de eletricidade.

Mas como saber se o OmniProcessor funciona mesmo no mundo real? O próximo passo será o projeto-piloto.

Ainda este ano, Janicki criará um Omniprocessor em Dakar, no Senegal, onde vai estudar tudo, desde como se conectar com a comunidade local (a equipe já está trabalhando com líderes lá) até o lugar mais conveniente para se alojar a instalação.

A empresa também vai testar um sistema de sensores e câmeras que permite que os engenheiros da Janicki controlem o processador remotamente e se comuniquem com a equipe em Dakar para que possam diagnosticar problemas que surgirem ao longo do caminho.